Stock Car em Curvelo: cinco atrativos para a corrida em MG

A Stock Car corre neste fim de semana em Curvelo e vamos para cinco assuntos que rodarão pelo paddock neste fim de semana.

Lembrando que o campeonato volta ao sistema de rodadas duplas até a Corrida do Milhão e só fará outra corrida única no encerramento do campeonato, em dezembro na pista de Interlagos, quando a prova valerá o dobro de pontos.

Sendo assim, vamos aos destaques?

1. Pista remodelada

A partir desta etapa, o Circuito dos Cristais passa a ter 3.330 metros com a eliminação do setor um e uma ligação direto da curva 3 para o miolo.

A alteração foi por conta da extensão, mesmo: no caso da Stock Car, as voltas ficaram na casa de 1min51; já no caso das outras categorias, como o Brasileiro de Turismo a coisa era pior e passava dos dois minutos.

Para quem acompanhava no local, os carros iam tão longe que o barulho até sumia. Era estranho mas o traçado compensava. Pena que foi reduzido.

Alguns pilotos não curtiram muito a alteração, uma vez que o setor novo é circundado por muros de concreto e passou a parecer mais um circuito de rua que um permanente.

Vamos torcer para que a pista esteja bem melhor que no ano passado, quando existiam árvores desprotegidas na área de escape e não tenhamos mais susto como o acidente de Galid Osman que quase capotou e deu em uma.

2. Não vai ter tanto calor assim

Se no ano passado a corrida era em novembro e ultrapassou os 30 graus de temperatura ambiente, neste ano a corrida bateu com a principal frente fria do ano, de acordo com os meteorologistas.

Claro que no interior de Minas a definição da palavra “frio” é diferente, mas, durante o dia, as temperaturas serão bem mais amenas que no ano passado: a média será de 25ºC durante os três dias, sem chance de chuva.

Já de noite o caldo engrossa: entre 10ºC e 12ºC, mas como as corridas são de dia, isso não faz diferença. Neste caso o circo da Stock Car vai sofrer, mas para dormir!

3. O real impacto do Hero Push

Como a Corrida do Milhão utiliza um formato diferente do tradicional, em Curvelo vamos ver a real diferença que o Hero Push pode fazer durante uma etapa da Stock Car.

Afinal, serão duas corridas de 40 minutos em que não deve faltar gasolina e este é o cenário padrão, então vamos ver se esse acionamento extra fará diferença ou se ficará sendo algo meramente promocional, mesmo.

Claro que todos torcemos para a primeira opção, pois se isso se tornar algo meramente promocional a vida desta ação será bem curta.

4. Primeira e última “maratona” do ano

A etapa de Curvelo inicia a primera e última “maratona” do ano, com duas corridas no espaço de 15 dias e um fim de semana de intervalo entre elas. Geralmente, esse intervalo é de no mínimo três semanas.

Será um grande desafio para as equipes, pois muitas pretendem ir para as oficinas fazer a tradicional revisão geral depois do fim de semana. Os times que têm sede no Rio (como Cimed, Ipiranga, Vogel e Prati) e São Paulo (como as três da Full Time, Eisenbahn, Blau e Hot Car) se deram bem pois as sedes ficam no caminho para o Velo Cittá, mas as equipes de Curitiba (como Eurofarma, RCM e Cavaleiro) terão um pouco mais de dificuldade.

Depois disso, a maioria das corridas terão intervalo de aproximadamente um mês, só com outubro tendo duas corridas – com três semanas entre uma e outra.

5. Siga o líder ou pegue o líder?

Será que alguém vai parar Daniel Serra? Passadas cinco corridas ele já conseguiu uma vantagem de 16 pontos para o vice Thiago Camilo (142 a 126). Seria importante para Serra manter essa gordurinha, pois de Camilo para trás o caldo engrossa.

Max Wilson (123), Rubens Barrichello (120), Átila Abreu (111), Marcos Gomes (101), Ricardo Maurício (98) e Cacá Bueno (93) estão todos de olho em um tropeço do filho de Chico Serra. Já o atual campeão, Felipe Fraga, precisa comer um pouco mais de feijão, pois tem apenas 79 pontos.