Jones X Alonso: quem foi o estreante do ano?

Fernando Alonso foi eleito pela IndyCar o estreante do ano da 101ª Indy 500, mas isso acabou gerando uma pequena polêmica, pois algumas pessoas acharam a escolha injusta e inclusive manifestaram seu descontentamento – caso do tetracampeão Sebastien Bourdais, que não correu por ter sofrido um acidente gravíssimo.

Só que no caso de Bourdais há um interesse no meio: Jones é seu companheiro na Dale Coyne. Mas não foi só ele que cornetou. Assim como os fãs de Alonso também dão como merecido o troféu para o bicampeão de F1 por ter encarado o desafio de frente e matado no peito, liderando e dando show.

Mas eu quero ouvir de você quem foi o melhor e para isso nós mergulhamos nas estatísticas e na corrida de cada um para que vocês analisassem friamente quem mereceu ser o estreante do ano. Seguem os dados abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

ED JONES

Posição de largada: 11
Posição de chegada: 3
Diferença para o líder: 0s5278
Pit stops: 9 (voltas 29, 55, 56, 57, 59, 82, 114, 124, 166)
Voltas lideradas: 0
Melhor volta: 39s9668 (225.187) na volta 116 (5ª melhor)
Punições: 1 (trabalhar nos pits com os boxes fechados)
Evolução em posições: 11-10-9-11-12-24-28-26-23-20-22-21-25-24-22-21-20-19-16-15-14-8-9-22-21-19-18-17-10-7-6-7-2-3-2-3-4-3-4-3.

Um trabalho de estratégia após um início desastroso e uma punição por ter feito uma parada com os boxes fechados que o jogou pro fundo do grid. Destaque para quatro paradas no espaço de cinco voltas na primeira metade da corrida. Só pulou pra turma de cima na hora que interessa, a final, e chegou a pouco mais de meio segundo de Takuma Sato, merecendo destaque pela briga com Max Chilton pelo terceiro lugar e com Helio Castroneves, ficando apenas a 0s3 do brasileiro na bandeirada. Durante os treinos foi o terceiro melhor em seu grupo na classificação, o mais veloz no TL7 e segundo no TL8. Vale destacar que Jones foi o segundo colocado na etapa da Indy Lights no Speedway, este foi seu melhor resultado na IndyCar e ele nunca ganhou em ovais na vida.

Além disso, Jones revelou um problema no fim: “A asa dianteira quebrou e ventava muito dentro do carro. Passei o maior frio nas pernas, para ser honesto. Sem contar o arrasto que criava.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

FERNANDO ALONSO

Posição de largada: 5
Posição de chegada: 24 (abandono por quebra de motor)
Diferença para o líder: 21 voltas
Pit stops: 9 (voltas 29, 55, 56, 57, 59, 82, 114, 124, 166)
Voltas lideradas: 27 (37 a 42, 48 a 60, 130 e 136)
Melhor volta: 40s0781 (224.562) na volta 85 (13ª melhor)
Punições: 0
Evolução em posições: 5-9-8-7-6-5-4-3-2-1-2-4-3-6-4-3-4-3-2-1-5-9-10-12-10-9-8-7-5-9-abandono.

Apesar de todos os holofotes em cima dele, Alonso andou forte desde o dia 1, largando da segunda fila e brigando diretamente por vitórias, sendo o terceiro piloto que mais liderou nesta edição. Se mostrou combativo e não arregou nas disputas, também não cometendo nenhum erro nos boxes ou relargadas – só na primeira que ele realmente deu uma vaciladinha e perdeu quatro posições. Por não ter chegado ao fim, ficamos sem saber qual seria sua estratégia final. Na semana de treinos foi P4 nos TLs 3,4 e 5, terminando o último TL em quinto, mesma posição que largou.

Pelos números, é fácil escolher Alonso. Pelos perrengues, Jones leva a melhor. Mas no fim, para mim, Alonso é o estreante do ano pela experiência nula, ao contrário de Jones.

E você, o que acha?