Será que um dia saberemos a verdade? Mesmo assim, valeu!

Aposentadoria? Um menino de 31 anos pedindo aposentadoria no auge da carreira e conquistando tudo o que alguém que se presta a fazer o que ele faz? Difícil entender… Talvez a gente nunca vá entender. Mas o importante é que ele está bem com isso, é o que importa.

Estamos falando, claro, de Nico Rosberg.

Mas, cara, como você sai assim sem mais nem menos? Você é o assunto do momento há três anos, protagonizando um sonho que para muitos (no mínimo uns cem por ano) não chega nem no segundo passo. Conheço um sem número de pilotos que soltaram cobras e lagartos com essa notícia.

É complicado. A vida é curta. A Chapecoense mostrou isso para a gente. E, neste caso, não só a Rosberg. Ele e muitos de nós (me incluo nessa) passamos muito tempo nesse “risco” que é estar sempre na dependência de um avião durante muitas horas (e quando falamos muitas não estamos brincando).

Para a gente é esse risco; para ele o risco é dobrado, pois além de contar com o avião, ele bota o dele na reta a 300 km/h e, mesmo com toda a segurança dos carros de F1, às vezes não dá certo. Jules Bianchi que o diga. Isso pode ter influenciado, também.

Porém, quem somos nós para julgar? Na posição dele, com a vida feita, poder viajar o mundo sem responsabilidades com 33 anos? Olhando por esse prisma, bem que eu queria!

Só vamos torcer para que Rosberg não se divirta demais e acabe se prejudicando nessa brincadeira, como aconteceu com seu parceiro Michael Schumacher – outro “case” dos pecados da vida.

Falando na parte esportiva, ele foi um grande e suportou uma guerra interna ferrenha. Sim, Lewis Hamilton tem grande parcela nisso tudo. A disputa mental entre os dois só se assemelha a Senna/Prost e Piquet/Mansell. Foi duro, difícil, até a última corrida de 2016, onde claramente Rosberg teve que ser muito forte para lidar e sobreviver ao jogo do rival.

Rival ou amigo? Era amigo, virou rival e agora é amigo de novo. E você, prefere rivais ou amigos? Rosberg escolheu a segunda opção. E vai ser bem feliz assim, certamente.

Uma hora ele volta a correr em alguma coisa. Tenho certeza. Por isso, parabéns e boa sorte, Nico!

E um agradecimento: graças a você o fim de ano está pegando fogo na F1 e isso está sendo ótimo!