Países que jamais imaginávamos terem participado da F1

Aproveitando o fato de que Pascal Wehrlein tem dupla nacionalidade e o superimportante Ryo Haryanto foi confirmado pela Manor, sendo o primeiro piloto da Indonésia na F1, no meio de 43 nações que tiveram pelo menos um piloto participando de uma sessão oficial da categoria nós pinçamos seis que os mais distraídos sequer sabiam ou lembravam. Algumas até bem recentes. Confira!

Adderly Fong com a Sauber
Adderly Fong com a Sauber

Hong Kong
Esta é a adição mais recente da lista. Foi com Adderly Fong, no primeiro dia de treinos para o GP de Abu Dhabi de 2014. No lugar do titular Adrian Sutil, deu 25 voltas com o carro #37 e ficou em 19º no primeiro e único treino livre de sua carreira, a 4s7 de Lewis Hamilton e 2s5 à frente de Will Stevens, na época com um Caterham. Como a maioria de sua geração, virou piloto de GT.

Chanoch Nissany mostra seu talento (rs) na Minardi
Chanoch Nissany mostra seu talento (rs) na Minardi

Israel
Chanoch Nissany fez uso de sua condição financeira abastada (é um empresário de sucesso em sua região, Tel Aviv) e, aos 42 anos, foi e$calado pela Minardi para o treino livre inicial do GP da Hungria de 2005. Ele ficou a sólidos 12 segundos de desvantagem do melhor tempo, só não terminando em último por conta da não participação da Red Bull na sessão. Um desastre. Seu filho, Roy, não é lá essas coisas, mas é melhor que o pai, tendo somado um pódio na Renault 3.5.

Rikky von Opel em ação
Rikky von Opel em ação

Liechtenstein
Rikky von Opel é nascido nos EUA, mas representou o Liechtenstein nas pistas. Possui parentesco com o fundador da Opel, Adam Opel, mas isso não foi determinante para seu sucesso nas pistas. Ele competiu em dez provas na F1, tendo como melhor resultado um nono lugar.

Robert Lacaze durante corrida de turismo
Robert Lacaze durante corrida de turismo

Marrocos
Robert Lacaze (ou La Caze) foi o representante da casa na corrida em sua terra natal, no ano de 1958. Com o Cooper Clímax #58, ele largou em 23º e terminou na 14ª posição. Nada mal. Além disso, ele disputou algumas edições das 24 Horas de Le Mans.

John Love, o melhor rodesiano da F1

Rodésia
Atual Zimbabwe, este pequeno país localizado acima da África do Sul teve nada menos que quatro competidores na F1 (Mike Harris, John Love, Clive Puzey e Sam Tingle), todos disputando o GP do país vizinho, claro. Piloto com mais provas (nove), Love tem até um pódio com o terceiro lugar na prova de 1967.

Mano Bira mandou bem em 1950.
Mano Bira mandou bem em 1950

Tailândia
Esta, provavelmente, é a história mais famosa desta lista. O famoso Príncipe Bira (ou Prince Birabongse Bhanudej Bhanubandh) disputou 19 GPs entre 1950 e 1954, tendo como melhor resultado dois quartos lugares e oito pontos na carreira, sendo cinco deles na primeira temporada da história da F1, quando foi o oitavo no Mundial.